quinta-feira, outubro 21, 2004

Quedas

Começo o dia aos trambolhões. Acabo no final com os joelhos todos esfolados e com um bom par de negras em cada um... Enfim... Lá me arrastei até ao emprego, a cada passo que dava sentindo uma dor aguda (e eu que me considero imune à dor, verifiquei que sou apenas humana). O mais engraçado foi a que cada passo me fui acostumando com a dor... Quando cá cheguei, ardia-me o joelho, mas estava como que anestesiado, de modo que sabia que tinha conseguido chegar ao meu destino, quando só me apetecia parar e chorar...
Também é assim com o meu coração...
Quantas quedas já dei... Tantas... Quantas...
Algumas em queda livre, aquando das minhas tropelias no trapézio do amor. Da última vez pensei que estarias lá para me amparar na queda, mas como poderias? ...Se foste tu que provocaste a queda?... Os mais sensatos discordarão de mim, dirão que os números de acrobacia são arriscados... Mas são tão belos.... Uma pirueta, um duplo mortal, um voltear aéreo que fascina quem o observa, quem o sente. O amor é mesmo um acto sem rede. é uma incerteza, um número misto de perícia e de magia... E no final, caímos, levantamo-nos, sacudimos o pó e sorrimos ao público.

Eu sobrevivi à minha queda de hoje. Apenas tenho de aprender a ser menos trapalhona e a não estar sempre a olhar para o céu. Talvez hoje à noite chore sozinha, mas agora não. Agora ponho o meu ar neutro, de que nada me afecta e tento caminhar o mais dignamente possível, para que ninguém repare que estou magoada e tenham pena de mim *

4 Comments:

Blogger Paracleto said...

Consegui....depois de varias tentativas consegui entrar no Blog da bela e doce Caliope. E com pena que leio o inicio do seu dia...é o Outono...
Embora cansado irei deixar a letra de uma musica que na minha opinião é fascinante:

"You are the tiger burning bright
Deep in the forest of my night
You are the one who keeps me strong
in this world

You sleep by the silent cooling streams
Down in the darkness of my dreams
All of my life i never knew
You are the dream i ´d see come true
You are the tiger burning bright

I was the one looked so hard
I could not see
And now I could never live
Without the love you give to me

I lived like a wild and lonely soul
Lost in a dream beyond control
You are the one who brought me home
Down the earth

For you are the tiger burning bright
Deep in the forest of my night
All of my life i neve knew
You are the dream i´d see come true
You are the tiger burning bright"

Katie Melua - Call off the search
Tiger in the night

8:07 da tarde  
Blogger Mofo said...

É joelhos esfolados, é coração esfolado...não chores, não gosto de ver ninguém a chorar.

5:35 da tarde  
Blogger Hipatia said...

Imune à dor não! Seria o mesmo que ficar imune ao prazer ou algo assim. Sentir - seja o que for - é estar vivo. Mesmo que custe; mesmo que doa; mesmo que as quedas sejam tantas que quase nos sentimos anestesiados. É preciso reaprender - uma e outra vez - a sentir.

:)

8:45 da tarde  
Blogger Caliope said...

Apesar de ser muito sensível, eu prometo que não vou chorar ;-)*

6:06 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

Comments-[ comments.]