quarta-feira, novembro 03, 2004

POESIAS IV

JORGE DE SENA

- Meu corpo, que mais receias?
- Receio quem não escolhi.
- Na treva que as mãos repelem
os corpos crescem trementes.
Ao toque leve e ligeiro
O corpo torna-se inteiro,
Todos os outros ausentes.
Os olhos no vago
Das luzes brandas e alheias;
Joelhos, dentes e dedos
Se cravam por sobre os medos...

Meu corpo, que mais receias?
- Receio quem não escolhi,
quem pela escolha afastei.
De longe, os corpos que vi
Me lembram quantos perdi
Por este outro que terei.


Porque será que as escolhas mais importantes (ou pelos menos as mais marcantes..) não são feitas por nós?

5 Comments:

Blogger X said...

Sobre as escolhas que não fazemos, tenho já um Post no meu Blog...
Mas gosto mais assim, sentir de repente um sentimento vindo do nada, e que é tão forte.

2:11 da tarde  
Blogger Hipatia said...

Sempre achei que não se podem lamentar as decisões tomadas à posteriori. Temos que ter consciência que elas são tomadas em função de determinado contexto e que nunca esse momento de decisão pode ser questionado. Porque tentamos sempre decidir o melhor...

Depois, há as decisões dos outros, às quais achamos sempre que só reagimos. Mas, na verdade, quantas dessas decisões não são fruto das nossas acções anteriores também?

Não te sei dizer se são sempre as mais importantes. São provavelmente aquelas que nos fazem maior mácula. Porque assumimos como responsável integral "o outro". Só que, nem aí, me parece que seja tudo assim tão linear.

Beijinho

6:07 da tarde  
Blogger Sara said...

Não sei se são as mais importantes, mas uma coisa é certa, têm outro sabor ;)

Beijos

11:36 da tarde  
Blogger Ana said...

É necessário, e urgente, que as escolhas mais importantes sejam feitas por nós... mesmo que não sejam as mais acertadas :-)
Um beijo.

1:57 da manhã  
Blogger Hipatia said...

Por ondes andas?

5:39 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

Comments-[ comments.]