quarta-feira, novembro 24, 2004

POESIAS V

Em Todas as Ruas - Mario Cesariny

Em todas as ruas te encontro

em todas as ruas te perco
conheço tão bem o teu corpo
sonhei tanto a tua figura
que é de olhos fechados que eu ando
a limitar a tua altura
e bebo a água e sorvo o ar
que te atravessou a cintura
tanto, tão perto, tão real
que o meu corpo se transfigura
e toca o seu próprio elemento
num corpo que já não é seu
num rio que desapareceu
onde um braço teu me procura

Em todas as ruas te encontro
em todas as ruas te perco.

Onde andas, minha Alma Gémea?
Tenho saudades de te reencontrar...

Eu sou das românticas...
Gosto de Pequenos-almoços na cama... Pic-nics ao final da tarde... Chocolate quente antes do anoitecer... Passeios ao luar... Mimos, beijos, abraços pela madrugada fora...
Gosto de passar todos os momentos contigo...

Tenho saudades tuas. Quando sais dos meus sonhos e apareces na minha vida?

Onde andarás tu, minha querida Alma Gémea... Re(encontramo-nos)?
Até quando vaguearemos os dois sozinhos, sem nos (re)vermos nesta vida?





6 Comments:

Blogger Hipatia said...

Está algures: provavelmente perto; provavelmente a fazer as mesmas perguntas...

Beijinhos

11:01 da tarde  
Blogger Caliope said...

Que pensamento tão reconfortante. Obrigada pelas tuas palavras :-))))
Beijinhossssssss

11:00 da manhã  
Blogger corpo visível said...

Gostei imenso da escolha.
O Cesariny é realmente especial, näo é?

7:12 da tarde  
Blogger Caliope said...

As palavras que ele diz adquirem um significado sentido nos meus pensamentos. Está aí um documentário sobre a vida dele :-)

10:25 da manhã  
Blogger Caliope said...

As palavras que ele diz adquirem um significado muito meu nos pensamentos que vagueiam dentro de mim. Está aí um documentário sobre a vida dele :-)

10:25 da manhã  
Blogger Caliope said...

As palavras dele encontram eco nos meus pensamentos. Há agora um documentário sobre a sua vida :-)

11:49 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

Comments-[ comments.]