quinta-feira, dezembro 09, 2004

VII - Ausências


Se em ti conténs
apenas a desilusão,
porque me povoaram tantos sonhos?


Se o mais que me trouxeste
foram as ausências,
porque me acostumei à tua presença?

Se tudo o que vivemos
foi um segundo
porque me sinto tão envelhecida?

Passaram assim tantos anos?
Não, passou a vida inteira:
Ele era a vida que existia em mim.





5 Comments:

Blogger delArte said...

Urge a resposta, a compreensão.
Só assim o apaziguamento.

12:23 da manhã  
Blogger Caliope said...

Tudo na vida tem uma finalidade, encerra uma lição... Pois... Porque é tão difícil, por vezes, a resignação?
Obrigada pelas palavras (Fizeram-me pensar...)

10:13 da manhã  
Blogger corpo visível said...

Como dizia o poeta "nada esperes que em ti já näo exista"...

1:21 da tarde  
Blogger Hipatia said...

... há histórias que temos de aprender a deixar de viver; deixá-las repousar na memória, fazer-lhes apenas um carinho de vez em quando, olhar em frente e ver a vida que ainda há, a muita história que se vai ainda contar.

Beijinhos

1:45 da tarde  
Blogger Caliope said...

Nada como o tempo... ;-) E muita amnésia (acrescentaria...)

6:24 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

Comments-[ comments.]