quinta-feira, março 10, 2005

VISTA SOBRE O NADA

A minha vida é um T1 Duplex.
No espaço térreo coloquei um sofá, onde me sento ao final dos sonhos, derrotada pelo cansaço de esperar que algo que tenho a certeza de que não saberei reconhecer aconteça.
A minha sala de estar apenas tem um sofá de um só lugar.
Ao subir as escadas em caracol que dão para o espaço superior, tropeço na escuridão até esbarrar na cama. Isto se me dou ao trabalho de subir.
O meu quarto apenas tem uma cama.
Quando a luminosidade espreita por entre as persianas (não tenho cortinas – se alguém estiver a espreitar à minha janela verá a minha casa tal como ela é. Moro é num último andar, tangente às nuvens, sem prédios nos arredores) eu entro no terraço.
O terraço debruça-se sobre um lago. Disseram-me um dia que a vista é linda. Eu não sei. Tenho vertigens.
Nunca vou ao terraço.
Gostava de te convidar para tomares um café no meu T1. Só que depois lembrei-me.
Não bebo café.

Perdi a chave do meu apartamento.


Perdoas-me pelo convite despropositado?
Comments-[ comments.]